Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

segunda-feira, 9 de março de 2015

O Mestre e A Flor da Consciência

Osho tem um texto muito interessante sobre o papel do Mestre que nos indica o caminho para a consciência e a unicidade, e reproduz um conto sobre um mestre que cultiva “gloria-da- manhã” (Ipomea nil) ou Asago em japonês, natural do Sul da China, introduzida no Japão por volta do século nove, porém, no Período Edo (1603 – 1867), torna-se popular como planta ornamental, devido às suas flores, sendo desenvolvidas inúmeras variantes; hoje em dia chega a mais de mil espécies. Abaixo reproduzo o texto:

“O Mestre auxilia a conscientizar-se da sua total e definitiva solidão. A palavra “solidão” não é boa porque carrega em si uma tristeza – por sua causa, não por causa da palavra. Por causa das velhas associações, você sempre se sente triste quando está sozinho.

No Japão, aconteceu uma vez o seguinte: Havia um Mestre Zen que era um grande jardineiro, um amante da jardinagem. Até o rei tinha ciúmes do seu jardim. Um dia, alguém chegou ao rei e lhe disse: “você deve ir ver agora.”

Os japoneses têm uma verdadeira admiração pela “glória-da-manhã”. E o homem falou para o rei: “Eu nuca vi tantas “glórias-da-manhã” – milhões delas, o jardim inteiro do Mestre Zen está repleto delas. E a fragrância – uma beleza! Não deixe de ir! Você precisa ver.”

Era demais para o rei ver o jardim desse pobre homem: ele tinha um jardim enorme no seu próprio palácio – centenas de acres de estufas, centenas de jardineiros trabalhando.

Mas o homem lhe disse: “Isso pode não acontecer outra vez.”

Assim, o rei resolveu ir. Ele disse: “Vá e informe que eu irei amanhã cedo.”

O Mestre foi informado e na manhã seguinte o rei apareceu com sua corte, seus generais, a rainha e os príncipes. Toda a capital foi paralisada; milhões de pessoas reuniram-se ao redor do mosteiro. O rei foi, olhou em torno e disse: ‘ Como! Eu fui informado que havia milhões de flores e estou vendo apenas uma “glória-da-manhã” no jardim.”

O Mestre Zen disse: “Sim, havia milhões, mas durante a noite nós as removemos, porque acreditamos no Um. Esta é a mais bela flor de todas – na multidão o senhor poderia não vê-la; assim, nós removemos todas as outras. Apenas a melhor, a mais bela, foi conservada para o senhor.”

O rei ficou um pouco triste e disse: “Ela parece tão solitária!”

O Mestre Zen riu e disse: “Ela não é solitária. Ela é só.”

Lembre-se disto: quando você chega no âmago do seu centro, você não estará solitário, estará só! Essa solidão não é um vazio – é um preenchimento. Essa solidão não é vazia, é transbordante. Essa solidão não é um vácuo, é o Todo.

Tudo o que o Mestre pode fazer é torná-lo alerta para este fato – que já existe. Ele não pode lhe dar algo novo. Ele lhe dá apenas o que você já tem, o que você já é, o que você já está carregando consigo, mas para o qual nunca esteve alerta. Ele apenas o torna consciente do fato – da solidão do seu ser. Ele apenas o acorda para a verdade: - o tesouro está escondido aí – e você nunca olhou para ele.”

Boa Reflexão.

Oss.

Baseado no texto do livro de Osho “Nem Água, Nem Lua”.

4 comentários:

  1. Muy bonito el cuento Ricardo, eso es no está sola porque está en el que la mira con admiración, muchas gracias
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola, Carina,
      Muy interesante tu interpretación del texto de Osho.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Es curioso, muchas veces me he planteado, por ejemplo en los cursos de Kitaura Shihan, el hecho de verlo rodeado de gente y tan solo a la vez, siempre me produce un sentimiento de tristeza. Muchas gracias por el texto Ricardo.

    Un abrazo y excelente semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola, Guillermo,
      Muchos de nuestros Maestros llegaron a la conciencia, mismo no que nos parece ser solicitud, ellos viven la plenitud; el propio Ueshiba O'Sensei es un ejemplo de esto.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails