Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

sábado, 8 de novembro de 2014

Ki-Kokyu-Hara e Inoue Sensei

A circulação de Ki, sempre foi um dos assuntos que Inoue Doshu não deixava de explicar aos seus alunos, o que notamos que foi muito marcante para os seus discípulos mais conhecidos: Okuyama Sensei, Kawanabe Sensei, Shigeru Egami Sensei e seu filho Masatake Egami, Aoki Sensei, entre outros.

Segundo suas palavras, devemos fazer o possível para não bloquear o fluxo de Ki, eu o conceito de forte e fraco, não tem a mínima importância, que é importante manter o foco nas particularidades de cada pessoa. Por exemplo, Inoue Sensei afirma que o Kokyu é diferente para cada pessoa, que não existe nem mais nem menos Ki, ele sempre esteve lá, o que varia vai ser como a pessoa vai “modular” o seu corpo, e isto é feito através da flexibilidade e do Kokyu (respiração).

Como afirma Kawanabe Sensei, o estudo da respiração e sua relação com o “poder’ de Ki era muito praticado por eles com Inoue Sensei. Outro fato peculiar, era a movimentação da coluna sacro-lombara, segundos os estudos de Inoue Sensei, chegando a explicar os movimentos dasvertebras segundo cada exercício, esta atuação sempre relacionada a respiração e ao Hara.

O Hara é como a raiz de uma árvore, vai absorver Ki, seja pelo ar que respiramos, pela cabeça,assim como pelos pés, estando tornozelos e joelhos relaxados. Segundo Kawanabe Sensei, as vértebras lombares, cada uma com a sua própria função: a primeira lombar (L1) movimentos laterais superiores de cima para baixo, L2 realiza movimentos só laterais, L3 realiza pequenos giros, L4 têm expansão-contração, e L5 deslocamento anteroposterior. Portanto dividindo a cintura significa fazer o melhor uso dessas faculdades em conformidade com as partes inferiores (tornozelo, joelho e musculares relacionadas). Inoue Sensei mencionava, para seus alunos que, quando a cintura pode mover idealmente, temos uma aparência de dignidade, a coluna e o corpo se aprumam.

Os exercícios em Suwari Waza são importantes, para fortalecer a cintura, pelve e Hara; mas sempre não se esquecendo dos exercícios de flexibilidade, que desobstruiria os possíveis bloqueios a circulação de Ki. A respiração, o corpo, punho e pés devem estar integrados, se movimentando ao mesmo tempo (Ki Ken Tai no ituchi – correspondência ou coincidente).

O circuito inalar-exalar, cria movimentação e ritmo em Ki mas o Hara é tido como a fonte que produz tudo, sendo que todas as técnicas são a expressão desta integração Kokyu (respiração)-corpo-Hara.

Existem dois termos em japonês que são muito interessantes: KIAI e KIAI MAKI.  O termo KIAI que significa unir, harmonizar, encontrar; então KIAI literalmente significa “união do KI” e sua tradução pode ser, também, grito, respiração, disposição, humor.  Já KIAIMAKI, temos MAKI que significa perder; literalmente "que perde a união de KI".

Se o intercâmbio de energia se faz em ambos os sentidos, entre KI universal e o “nosso” KI se fazendo constante, estamos saudáveis. Porem, se este intercâmbio se faz incorretamente, o fluxo de Ki desacelera e lentifica, trazendo, em seguida, os desequilíbrios.

Ao falarmos de Kokyu, já vem à mente o significado “força da respiração”, força da respiração que acompanha cada movimento e deve começar a partir do centro, aonde se enraizou, no Hara. Podemos facilmente definir o Kokyu como uma força da respiração abdominal, que coordenou com o KI, sendo a essência de todos os nossos movimentos. A palavra Kokyu, em si, já descreve o ciclo Expiração (Ko)- Inspiração (Kyu). Como no exercício em Aikido, primeiro expiramos, estando atentos, para que não exista resistência à expiração, mesmo que seja apenas na metade, pois esta atitude faz com que os ombros sejam imediatamente bloqueadas. Logo Kokyu, muito mais do que mero trabalho respiratório, é a harmonia entre todas as coisas, a relação harmoniosa entre o ser e o Universo.

Kokyu é nossa relação com o mundo, pois todos os seres vivos tem sua existência através da respiração. Autorers falam que sem um Kokyu harmonioso, nos movimentos perdem a sutileza, se tornam mecânicos e grosseiros.

Em suma, podemos dizer que o ensinamento quer nos mostar que é algo muito simples, expressado pela fórmula KI-Kokyu-Hara;, em total relaxamento, respirar concentrando-se no Hara, deixando a reriração se fazer nos dois sentidos, permitindo que KI se transportado pelo Kokyu livremente. Hara no Tandem se faz um centro ligação com o Ki Universal, onde estamos imersos, permitindo que tudo seja organizado ao seu redor.

Por isso Inoue Doshu alertava que se o fluxo de “Ki cessa, os resultados podem ser desastrosos”, para nós.

Boa Reflexão.

Oss.

Baseado em artigos de N. Inoue Doshu, K. Kawanabe Sensei, K. G. Durckheim Sensei, M. Noro Sensei e S. Pranin Sensei.

4 comentários:

  1. Buenas tardes Ricardo,
    Muy buenas enseñanzas de Inoue Sensei, muchas gracias por compartirlas
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Tardes, Carina,
      Las enseñanzas de Inoue Sensei son muy importantes para los practicantes de Artes Marciai, en especial Aikido, Shin'ei Taido, sogobudo, Shintaido e Shinwa Taido. Tengo que agradecer a Kawanabe Shihan que nos transmite lo que aprendió de su antiguo maestro.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Buenos días Ricardo,

    Para entender mejor el concepto a mi me suele resultar más sencillo imaginarme ejemplos. En este caso podrían servir los ejercicios de respiración de una madre en el parto?, eso sería Kokyu?

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos días, Guillermo,
      El Kokyu se aplica a todas las situaciones y los seres vivos.
      como el momento del parto, se aplican técnicas respiratorias, así como explica el obstetra frances Dr. Frederick Leboyer, quien desarrolló el método del parto sin dolor, que en 1985 me presentó con un vídeo que muestra estas técnicas respiratorias en la India, para facilitar el parto. como explican Ueshiba O-Sensei y Inoue Doshu, Kokyu siempre está presente, lo que nos relacionamos con el Ki. Interesante para ver el método de Leboyer, el video del parto sen dolor, se llama Naissance, tambien disponible en YouTube. Cuanto al video de las técnicas respiratorias, creo que no está disponible en internet.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails