Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Coração e Consciência – Poema do Imperador Meiji


Este poema numero 13 (Kokoro), nos remete ao terceiro capítulo da obra Genji monogatari (Os contos de Genji), que é considerada uma das maiores obras da litura japonesa, escrita em ter o século X e XI, atribuída a escritora Murasaki Shikibu; cada estudo de um poema do Imperador Meiji, me surpreende a riqueza de detalhes e ensinamentos contidos naquelas poucas palavras. 

Genji monogatari transcorre no período Heian, obra considerada como o primeiro romance psicológico do mundo, sendo considerado pela maioria dos estudiosos como o conto mais antigo da literatura japonesa. Texto escrito nos estilo Waka, com poemas que apresentam o sentido Omote (social, direto, explicito) e o sentido Ura (indireto, oculto, reflexivo); da mesma maneira são os ensinamentos nos poemas do Imperador Meiji.

O Conto de Genji narra a vida de um dos filhos do Imperador, Hikaru Genji , que por razões políticas, é relegado ao status de cidadão (por ser dado o sobrenome Minamoto, retirando-o da linha de sucessão, para que ele não derrube o príncipe herdeiro) e faz carreira como oficial imperial. O conto se concentra na vida romântica de Genji, mas descreve os costumes da sociedade aristocrática da época.

No capitulo Utsusemi, Genji fala do seu sentimento causado pela rejeição de uma jovem mulher, a quem chama de Utsusemi ( a senhora da casca de cigarra). O texto descreve que nosso protagonista, escondido, observa a dama jogando Go com Nokiba-no-ogi; Genji acha que vai surpreender a mulher. Porem esta percebe que está sendo observada, e, discretamente, ela parte do aposento, sem ele perceber, usando um artifício: ao andar suavemente, deixa para trás vestimenta externa, como a casca de uma cigarra (Utsusemi), iludindo o protagonista, ela parte livremente (como ele escreveria mais tarde em seus poemas).

Este poema do Imperador nos remete a uma imagem que compara a carapaça da cigarra com as vestimentas das damas da corte da Antiguidade, que usavam o impressionante Karaginumo (ou Jūni-hitoe, “as doze molduras da pessoa”); doze quimonos da mais fina e luxuosa seda, sobrepostos (Uchiki), cada um levemente mais curto que o anterior. O último Uchiki era um sobretudo, e quando as damas soltavam os cabelos, estes ficavam até abaixo da cintura, sendo está uma das características de uma cigarra muito especial, no Japão (Suisha Coreana, característica do final do verão e inicio outono), que parece ter longa cabeleira (além de possuir um mimetismo, que faz ser difícil de identificá-las), daí a analogia de Utsusemi.

Aqui, o poema do Imperador parece evocar vários significados:

- A metamorfose, como sair da carapaça, brotar do interior, ser flexível para alcançar a maturidade. A cigarra se prepara de 2 a 5 anos (tem espécies 15 a 17 anos) para então viver de 2 a 4 semanas. No Genji Monogatari, este capítulo parece ter transcorrido no outono; o sentido do poema parece ser a transformação no “final do verão da vida”, quando nosso Kokoro se torna livre dos apegos e das paixões.

- A maioria das cigarras têm um canto muito alto (Omote), mas existem espécies inaudíveis ao ser humano: não ouvir não significa que nada está acontecendo; a nossa evolução pode ser discreta e silenciosa, sem que os outro percebam (Ura).

A partir o texto original em japonês, podemos transcrever desta maneira:

Coração(Espirito-Mente) (Kokoro)

Sendo flexível como na transformação da ninfa, (Ikanaramu)

Alguma coisa acontece também, (aru toki mo)

Como na carapaça da cigarra, (Utsusemi no)

Na mente (espírito, coração) do ser humano, (Hito no kokoro yo)

Que se torna rico e livre. (Yutaka naranamu)

(Lembrar que o texto da segunda linha nos remetem também a expressão ‘Kokoro o utsu’, que significa tocar, mover, impressionar.

Lembrar, também, que na poesia japonesa o termo Utsusemi é indicativo do final do verão).

Em Arte Marcial, existe uma analogia com Ushiro Ryu Kata Dori; quando devemos ser flexíveis e nos deslocarmos sem esforço, como deixando a carapaça externa. Ueshiba O’Sensei ensinava que nossa evolução acontece a partir do nosso Kokoro (coração-mente-espirito), que esta transformação é o caminho para a Maestria:

“Cada um e cada mestre, independentemente da época ou lugar,

Ouviu o chamado e alcançou harmonia com o Céu e a Terra.

Há muitos caminhos que levam ao topo do Monte Fuji,

Mas só há uma ápice - o Amor.”

Boa Reflexão.

Oss.

Texto baseado em monografias sobre os Poemas do Imperador Meiji e sobre o Terceiro Capítulo do Geiji monogatari, além de textos sobre os ensinamentos de Morihei Ueshiba O’Sensei.




4 comentários:

  1. Buenas noches Ricardo,
    Muy bonito el poema y sobre todo tu explicación que nos lo aclara estupendamente
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Noches, Carina,
      Los poemas del Emperador Meiji siempre tienensido ampliamente estudiado en Japón, incluso por grandes maestros del siglo 20. Estos poemas tienen una gran cantidad de enseñanzas y aspectos de la Tradición;gran parte de esta enseñanza se puede aplicar en las artes marciales, también.
      Muchas gracias por tu comentario.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Muchas gracias Ricardo por compartir otro de los poemas del emperador Meiji, pero sobre todo, como bien apunta Carina, muchas gracias por explicárnoslo tan detenidamente. Gran trabajo.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos Días, Guillermo,
      En este estudio, encontré aspectos interesantes de la cultura, conectados con Artes Marciales. Creo que podemos hacer reflexiones a cerca la significacion de "Omote y Ura", en la prática; como también las técnicas de Ushiro. Un amigo Sensei, (que era Uke de Nakatani Sensei) intentava explicar a nosotros esto, pero no entendíamos, la técnica de "Dejar el Utsusemi", sin que Uke se diera cuenta es muy interesante.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails