Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

domingo, 21 de julho de 2013

A Clara Percepção de Shōju Rojin




















O Mestre Shōju Rojin ou Dokyo Etan (1642-1721), tambem Shōju Etan ou Shōju Rojin, passou a ser conhecido como "O Velho Homem do Eremitério de Shoju-an" (que muitos dizem ser uma cabana). Além de grande Mestre do Zen, era conhecido como grande Mestre do Budo, famoso por sua técnica de “Espancar para Dominar Espadachins”.

Era filho natural de Sanada Nobuyuki, o senhor da Matsushiro na província de Shinano. Depois da morte de seu pai, Shōju foi adotado e criado por Matsudaira Tadatomo, no Castelo de Iiyama . O menino sempre mostrou uma aptidão precoce de religião, tendo uma grande iluminação aos 15 anos de idade; dizem que foi logo após uma queda repentina de um lance de escada. Aos dezoito anos, ele acompanhou Matsudaira Tadatomo para Edo, onde foi ordenado por Shido Munan no Monastério de Tohoku-an, sendo que, um ano após, recebe a confirmação da iluminação de Munan. Depois peregrinar por seis anos, durante os quais ele estudou com Mestres do nordeste do Japão, ele retorna para Tohoku-an, ficando com Shido Munan, até este morrer em 1676.

Mestre Shoju, disse que esperou até a idade de 55 anos para alcançar a continuidade na "percepção correta", com “uma clara visão da mente clara” (conforme suas próprias palavras). Ele atribuiu tanta importância isto, que ele chamou seu eremitério de "Cabana da Percepção justa".

Poucos monges que se aventuraram a conhecer o homem de idade, um descendente direto de uma linhagem antiga, e que tornou-se um dos maiores mestres do Japão. Alguns samurais, no entanto, não hesitavam em chamá-lo, com o intuito de progredir na iluminação da mente.

Um dia, um samurai muito orgulhoso, que dizia ter praticado “concentração Zen”, foi ter com o Mestre, e depois de expor todas as suas teorias sobre a Arte da Espada para Shoju, foi puxando a espada antes que o Mestre.

Subitamente, o Mestre deu um salto, e prontamente golpeou o arrogante com a mão vazia, fazendo cair no chão, sem fôlego. Shoju Zenji disse:

“Você não passa de um balão de ar quente.”

Este encontro ficou famoso, e cinco mestres samurais foram visitá-lo para que ele avaliasse a técnica deles. Na verdade, os guerreiros acreditavam que o Mestre usava apenas o elemento surpresa e logo o desafiaram. Os guerreiros ofereceram ao velho uma espada de madeira, mas o Mestre recusou, argumentando que um monge budista não deve brandir uma arma, mesmo sendo madeira;, ele usaria seu bastão de monge, tempo suficiente para a sua defesa.

"Tentem me alcançar" – disse o Mestre. Os samurais não poderiam recusar tal desafio, com as suas espadas, eles atacaram o velho de todos os ângulos. Mas como era uma demonstração virtuosa na Arte de defesa.

Cada golpe foi habilmente defendido, e todos receberam, elo menos, um golpe de bastão em suas cabeças. A admiração pelo Mestre cresceu, e correspondentemente, foi diminuindo força deles. Esgotados fisicamente, os guerreiros admitiram que o Mestre seria capaz de transformar a vontade de seu conhecimento, que eles consideravam abstrato, em ação concreta. Um deles perguntou qual era o seu segredo. Disse, então, o velho Mestre:

" Não há mistério nenhum, quando a sua percepção de objetivo é clara, você “voa” em seus golpes. Sendo o seu olhar verdadeiro, estando com sua mente desobstruída, não existe nada que possa ser superado, inclusive um ataque de espada."

Boa Reflexão.

Oss.

Baseado em artigos sobre Shōju Rojin Zenji.

4 comentários:

  1. Buenos días Ricardo,
    Me gustó mucho la historia del Maestro Shoju, eso es lo que hablaba el otro día Takahashi Shihan sobre la mente libre, la mente clara, un buen objetivo para entrenar todos los días,
    gracias por compartirla historia y un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos Dias, Carina,
      Este monje es muy importante na história del Zen (y ao mismo tiempo del Budo), fue el maestro del gran Hakuin Zenji. Este aspecto de la mente clara, a traves de la meditacion , tanto pela práctica del Zazen como de la práctica ativa, sin perder el foco, todo esto es atribuido al Maestro Shoju Rojin.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Buenos días Ricardo, muchas gracias por presentarnos a este antiguo Maestro, parece ser que fue una persona muy interesante.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos Dias, Guillermo,
      El Maestro Shoju Rojin fue de gran importancia en el Periodo Tokugawa, él desarolló y praticava el concepto de la Mente Clara y la Justa Percepcion, tanto en el Zazen como en la práctica del Budo.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails