Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

domingo, 9 de dezembro de 2012

A Arte Marcial e O Zen





















Sabemos que o Zen é o foco no aqui e agora, portanto não há lugar melhor do que o outro, todos são excelentes para treinar a nossa atenção e observar o nosso comportamento aos diferentes estímulos quando nos são apresentados. Mesmo no meio de uma multidão barulhenta é possível, se existe foco e observação: Zen é a prática contínua de consciência no presente.

Dojo é uma palavra japonesa que significa literalmente "lugar do caminho", referindo-se a uma caminhada interior, tanto no Zen como nas Artes Marciais japonesas, indicando que deve ser um lugar em que se visa o aperfeiçoamento  interior.

A prática do Zen é tomar consciência do momento presente realidade, perceber como ela é. Aqui e agora. Isto é tudo. É muito simples. A prática é para ser permanente, devemos trazer a nossa consciência para o momento presente, essa é a prática real.

Na prática do Budo, intuição e ação devem ocorrer ao mesmo tempo: não pode haver pensamento, não há até mesmo um segundo para pensar. Quando estivermos praticando, a intenção e ação devem ser simultâneas.

Deshimaru Sensei ensinava:

“Quando eu digo durante o Zazen: ‘Não se movam!’; isso significa que na verdade não se fixar em um pensamento, deixá-los passar. Permanecer em  perfeita estabilidade realmente significa não permanecer;  não se mover significa, na verdade, mover-se, não dormir. Isso é como um pião que gira: ele pode ser considerado imóvel, quando está em plena ação; só é possível ver seu movimento em uma parte do início e quando ele pára no fim. Assim, a tranqüilidade no movimento é o segredo do Kendo, o Caminho da espada. E o segredo do Budo e do Zen, é que ambos têm o mesmo sabor.”

Assim como alertava:

“Treinar o corpo é desenvolver resistência e durabilidade. Mas o espírito de competição e poder que preside sobre eles não é bom, ele reflete uma visão distorcida da vida. A raiz das Artes Marciais não está lá.”

Boa Reflexão.

Oss.

Baseados em artigos de Taisen Deshimaru Zenji sobre Zen e Artes Marciais

4 comentários:

  1. Buenas tardes Ricardo,
    Magnifica reflexión, gracias por compartirla, es cierto para eso entrenamos para poder reaccionar sin pensar, como bien dices en la práctica del budo la íntuición y la acción deben ocurrir al mismo tiempo.
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola, Carina,
      Gracias a ti por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Me quedo con las palabras "modernizar el interior" referidas al Zen, me ha encantado!

    Muchas gracias Ricardo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buen Dia, Guillermo,
      Es cierto lo que dices, el Zen es siempre actual.
      Gracias a ti.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails