Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

sábado, 14 de julho de 2012

O Som Primordial














Kototama (ou Kododama), em japonês quer dizer: “palavra-espirito”, “palavra-alma”, como manifestações da Existência, segundo John Stevens Sensei. Durante anos li muitos artigos e livros que falam sobre este assunto, em especial sobre esta prática por Morihei Ueshiba O-Sensei, que sempre a recomendava e ensinava; sendo que John Stevens Sensei e William Gleason Sensei divulgam os Ensinamentos de O-Sensei.  Gleason Sensei escreveu :

“O Som Silencioso do Kototama é a causa da vibração, e não o efeito. Em sânscrito, é este Som Primordial que cria a forma do Universo, é pronunciado Aum. Ele é a manifestação da Força Onipresente. No Cristianismo, é a palavra Amém. No Xintoísmo, ele é chamado Aum no Kokyu e é simbolizado pelos leões sentados em cada lado da entrada (torii) de um santuário xintoísta.

O leão da esquerda tem a boca aberta, simbolizando a expansão infinita (A), a energia da espiritualização (yang). O leão da direita tem a boca fechada, simbolizando o mundo manifesto (yin) que carrega a consciência universal (Umn). (...)
A mente intuitiva, o começo da consciência, é chamada Omou. O-Sensei chamou-a o inicio da dança dos deuses (Kagura Mai). Na tradição hindu, isto é conhecido como o Som Primordial, Aum. (...)

O kanji para “som é lido como OM o equivalente chinês de Aum. Ele é composto pelo kanji “fixar” ou “erguer” (tatsu), que se refere ao campo eletromagnético da vida, e pelo kanji “sol”, que tembém representa o mundo tetradimensional do espírito. O significado global é “aquele que fixa o espirito e a alma”. À medida que nosso discernimento melhora, somos levados pelo nosso campo de energia a ficar numa posição física e mentalmente ereta. (...)

A dimensão E, do discernimento levanta-se para fundir-se com a nossa origem espiritual, a vontade vivificante. Na Yoga, isso é chamado “Fogo da Kundalini”. O corpo fica relaxado e ereto, apoiado naturalmente nos quadris. No Budo, as palavras que designam um Mestre da Arte são Tatsu Jin: “aquele que permanece ereto”. (...)

Tudo o que flui através de nós, a nossa própria vida, é Amor Divino. Usamos essa energia divina pondo em funcionamento as rodas da Criação de Mudanças, tanto positivas quanto negativas.”

Termino com as palavras de O-Sensei Ueshiba:

“Quando os nossos sentimentos se afastam do Amor Divino e do Saber Divino do Criador, não estamos realmente praticando o Aikido. (...)
O homem, enquanto parcela do Grande Espírito Universal, já deveria saber o que fazer.”

Boa Reflexão.

Oss.

Baseado no artigo de William Gleason Sensei “Kototama: O Mundo do Ki”.

2 comentários:

  1. Buenos días Ricardo,
    me gustó mucho esta reflexión, gracias por compartirla, que tengas un hermos domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias a Ti, Carina.
      Que tengas un buen domingo también.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails