Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

terça-feira, 8 de maio de 2012

Mente Una
























Certa vez, perguntaram a respeito da Iluminação e Natureza da Mente para o Mestre Bassui Tokusho,  que respondeu a seus discípulos:

  “O que é a mente?

Mente é a verdadeira natureza de todos os seres sencientes, aquela que existiu antes de nossos pais nascerem e por isso antes de nosso próprio nascimento, e existe presentemente, imutável e eterna. Então, é chamada a face de alguém antes de seus pais terem nascido.

Esta mente é intrinsecamente pura. Quando nascemos ela não é criada de novo, e quando morremos ela não se extingue. Não há distinção entre masculino e feminino, nem bom ou mau. Não pode ser comparada com coisa alguma, e por isso é chamada de natureza búdica. Não obstante, inúmeros pensamentos surgem dessa natureza do "eu", como ondas que se levantam no oceano ou imagens que se refletem no espelho. Para compreender a própria mente, primeiro se olha para dentro da fonte onde brotam os pensamentos. Dormindo ou trabalhando, em pé ou sentado, deve-se perguntar sinceramente:

-Qual a natureza de minha mente?

Isto pode ser chamado de prática, treinamento ou busca da verdade. Porém Zazen nada mais é do que olhar para dentro da própria mente. Melhor buscar sua própria mente com devoção que ler e recitar inumeráveis Sutras durante anos incontáveis. Tais esforços que não passam de formalidades, redundam em méritos, méritos que acabam e de novo há de experimentar o sofrimento dos três caminhos do mal.

O fato de alguém buscar sua própria mente leva finalmente à iluminação, esta prática é um pré-requisito para se tornar um Buda. Não importa cometer ações más ou pecados mortais; pois, se existe o desejo sincero de olhar para a mente, instantaneamente há iluminação. Porém não cometer pecados com o propósito de ser salvo pela iluminação; nem um buda nem um ancestral poderá salvar uma pessoa que, iludida, segue por estes caminhos.

É como uma criança que dorme ao lado dos pais e sonha que está doente, sofrendo. Os pais não podem ajudar a criança, pois não há como entrar na mente de alguém que sonha. Se a criança pudesse acordar a si própria, conseguiria libertar-se dos sofrimentos. Da mesma forma, quem compreende que sua mente é Buda, liberta-se dos sofrimentos.

Num sonho poderá não saber o caminho de casa. Pede-se a alguém que diga como voltar ou roga-se ajuda a Buda; mesmo assim não se consegue voltar. Logo que se sai do estado de sonho, se descobre estar  na cama e se compreende o único caminho:  acordar-se.”


Boa Reflexão.

Oss.

Baseados em textos sobre o Zen e Mestre Bassui Tokusho.

2 comentários:

  1. Buenas noches Ricardo,
    Muy bonito texto sobre la mente, a la que hay que mantener en calma,
    gracias por compartirlo
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Noches, Carina,
      Es verdad, este texto es una excelente enseñanza del Maestro Bassui Tokusho sobre la naturaleza de la mente.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails