Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Inoue: o Pioneiro Esquecido






























Este artigo de Stanley Pranin demonstra o papel de Inoue Sensei na divulgação das Artes Marciais nos anos 30, assim como seu esforço para consolidar o Budo Senyokai e o Dojo Kobukan.

“A próxima fase importante no desenvolvimento da acabaria por se tornar Aikido foi a realocação de tanto Morihei e Yoichiro para Tóquio. Como em tantas ocasiões anteriores, os nomes destes dois estão irremediavelmente entrelaçadas nesta fase também. A mudança de foco de suas atividades de ensino deveu-se, não surpreendentemente, a uma conexão com a Omotoo. Um dos estudantes mais ávidos de Daito-ryu em Ayabe, foi Vice-almirante Seikyo Asano, que era um colega de um certo Almirante Isamu Takeshita. Entre parênteses, Seikyo era o irmão mais velho do famoso Wasaburo Asano que, por algum tempo, exerceu uma enorme influência dentro da Omotoo.

Seikyo elogiou o Daito-ryu de Morihei e de Takeshita. O Almirante,um entusiasta de longa data e praticante das Artes Marciais, fez uma viagem especial para Ayabe para testemunhar o treinamento. Isso levou a Morihei e Yoichiro fazerem visitas a Tóquio a convite de Takeshita para dar cursos para as pessoas de negócios, círculos políticos, militares e intelectuais. Parece que Yoichiro ficou mais ou menos em tempo integral em Tóquio a partir de 1925, enquanto Morihei viajava entre lá e Ayabe antes de se mudar permanentemente com sua família em 1927. Yoichiro afirmou que Morihei estava frequentemente doente durante este período, e que ele (Yoichiro) lidou muito com as funções de ensino. Yoichiro acrescentou, por exemplo, que o Almirante Takeshita treinava mais com ele do que com seu tio.

Havia um número de pessoas, além de Takeshita, que atuaram como patronos para as atividades de Morihei e Yoichiro. Uma dessas pessoas era o Conde Shimazu . Yoichiro descreve os primeiros anos de Tóquio com estas palavras:
'Sr. Shimazu tinha uma mansão em Osaki-cho, onde realizamos o nosso primeiro treino. Durante este período, Ueshiba veio a Tóquio várias vezes. Ele estava doente, em seguida, e muito fraco. Eu tive que cuidar dele e foi um tempo difícil. Como resultado, eu fiz a maior parte do ensino no dojo. A partir do dojo em Osaki-cho nos mudamos para Mita. O Barão Katsuji Utsumi morava lá e, desde de que sua mansão estava vazia, foi oferecida a utilização da mesma.
Então eu fui, ensinar em vários locais. Nós não ensinávamos apenas em um lugar em Tóquio. Foi muito difícil para nós construir um dojo e tivemos que superar muitas dificuldades. No entanto, foi tudo devido à grandeza do meu tio, não a mim. '

Após um período de vários anos ensinando em várias instalações temporárias, os esforços de Morihei e Yoichiro em Tóquio finalmente levou à construção de um dojo permanente no distrito de Wakamatsu-cho de Shinjuku. Havia muitos colaboradores para a abertura do Dojo Ueshiba, conhecido como o "Kobukan", em abril de 1931. Um dos que desempenharam um papel no esforço de financiamento era o tio de Yoichiro , Koshiro, que nessa época era um dos indivíduos mais ricos do Japão. Yoichiro se jactaria: " Dinheiro de Koshiro é meu dinheiro!". E parece que o irmão mais novo Zenzo foi solicitado com alguma regularidade para a assistência financeira por Yoichiro durante os primeiros anos de Tóquio.

Usando o Kobukan como a base de suas atividades, Morihei começou a ensinar em várias instituições militares e empresas em 1930. Ele foi auxiliado por Yoichiro e uma nova safra de talentosos uchideshii, como Kaoru Funahashi, Shirata Rinjiro, Yonekawa Shigemi, Tsutomu Yukawa entre outros, que assumiram uma parte das tarefas de ensino. A Arte em si continuava a evoluir longe das formas mais rígidas de Daito-ryu no sentido de uma mais livre fluxo de aplicação,circular de técnicas. Numerosas testemunhas da época recordam como os movimentos de Yoichiro pareciam praticamente idênticos aos de Morihei.

Um grande número dos primeiros praticantes de Tóquio foram de alguma forma relacionado com a religião Omotoo. Tanto Onisaburo como seu genro Hidemaro Deguchi pagou visitas ao Kobukan durante este período. Em agosto de 1932, uma organização chamada Budo Senyokai (Sociedade para a Promoção das Artes Marciais), com sede em Kameoka foi criada sob os auspícios da religião Omotoo. Onisaburo configura uma variedade de organizações auxiliares de apoio à difusão da seita em vários níveis da sociedade japonesa. Esta associação específica foi centrada sobre as atividades de ensino marcial de Morihei e Yoichiro, sendo este último conhecido pelo nome de Yoshiharu neste ponto no tempo. Há uma série de fotografias do período Budo Senyokai que retratam Onisaburo, Morihei e Yoichiro posando juntos. Só estes documentos constituem prova irrefutável da relação entre os três e a importância de Yoichiro no desenvolvimento do novo budo de Morihei.

Sessões de treinamento de Artes Marciais foram realizadas nas instalações dos capítulos da Omotoo localizados em todo o Japão. Na verdade, era a existência de um capítulo como em Iwama, Prefeitura de Ibaragi que levou a Ueshiba adquirir a propriedade lá. O estabelecimento do Budo Senyokai deu a Morihei uma rede nacional de afiliados e aumenta suas responsabilidades educacionais. Yoichiro, que por sua vez, foi encarregado de configurar e operar um dojo em Takeda, na Prefeitura de Hyogo. Ele descreve suas atividades durante este período em suas próprias palavras:

'Eu acho que foi em 1932 que comecei a viajar pelo país para ensinar. Nós, inicialmente, ensinamos na Ten'onkyo em Kameoka. Eu estava ensinando então, mas, como você sabe, as pessoas que praticam as Artes Marciais são todos tipos de travessos! Eu não poderia mantê-los na linha. Então eu falei com o Reverendo Deguchi sobre o problema.

Ele disse, 'Inoue, por que você não se livra deles, enviando-os para Takeda?' Na verdade, todos eles foram expulsos de Kameoka! Embora tenha sido dito que eles foram enviados para Takeda, porque o novo dojo tinha sido construído ali, não era verdade. Eles foram enviados para Takeda, porque eles eram muito egoístas. Eu não passei muito tempo em Takeda, e eu estava na maior parte em Kameoka, onde havia outro dojo. A primeira vez que enviei um de meus alunos para Takeda foi por volta de 1932. Ele ainda está vivendo em Himeji. Ele construiu uma casa em Takeda para mim, mas eu ficava principalmente em Kameoka. Com Kameoka como base eu fui ensinando pelas vizinhanças de Quioto e Osaka e abri dojos nestas cidades. '

Como pode ser visto a partir de observações Yoichiro, o fluxo de atividade em conexão com o Budo Senyokai levou à criação de uma forte base de treinamento na área de Kansai também.  Yoichiro, aparentemente onipresente, estava diretamente envolvido neste esforço também. Ele desempenhou um papel na abertura do dojo no Jornal Asahi News em Osaka cuja figura central foi Takuma Hisa. Yoichiro ensinou regularmente em outro dojo em Osaka por vários anos. Morihei teria de gastar cerca de uma semana por mês em Osaka, onde manteve uma segunda residência em meados dos anos 1930.

Apesar de sua agenda de ensino ocupado neste período, Yoichiro também conseguiu viajar para a Manchúria em 1933, onde ele ensinou na Daido Gakuin, uma escola de elite japonêsa em Manchukuo . Ele também visitou brevemente a Coreia no caminho de volta para o Japão."

Boa Prática.

Oss.

Tradução de parte do artigo de Stanley Pranin “Yoichiro Inoue: Aikido’s Forgotten Pioneer” Aikido Journal numero 121

2 comentários:

  1. Buenos días Ricardo,
    Muy interesante los comienzos del Hombu Dojo, gracias por compartir este texto
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos Dias, Carina,
      Realmente son muy buenos los artículos históricos de Stanley Pranin Sensei.
      Muchas gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails