Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

domingo, 8 de janeiro de 2012

A Impermanência e A Flor de Cerejeira

Presente nas crônicas e canções mais antigas do Japão (Kojiki e Manyoshu), a Sakura, no periodo Edo começou a ser relacionada aos Samurais e,no período Meiji, reafirmava o ideal do povo japonês.

O florescer desta árvore (Sakura no Ki) é a mais pura manifestação da cultura japonesa, sendo que sua flor (sakura ou ooka) representa tanto a metáfora da vida assim como o símbolo do Bushido.

Existem várias lendas sobre esta árvore, como a que ela seria proveniente de uma princesa denominada “Kono-hana-sakuya-hime no Mikoto” (“Princesa da árvore de flores abertas”), considerada tão bela quanto a flor, que atraiu a atenção da divindade Ninigi no Mikoto, o ancestral do povo japonês. A princesa, ao perceber que sua beleza seria efêmera como as flores da cerejeira, ruma ao topo do Monte Fuji para subir aos céus. Muitos afirmam que o nome Sakura deriva do nome da princesa Sakuya, que significa florir.

É fato, que após seu florescimento, a flor enfraquece rapidamente e será espalhada pelo vento, esta é a morte perfeita para um verdadeiro Samurai, que tem consciência da sua natureza transitória da existência. Na essência de Bushido, o Samurai vive aprendendo dia a dia, pois sendo a vida passageira, estamos vivendo o Tada Ima (Instante Único, o Agora, o Momento Presente). A Cerejeira Omoto, é originária do Himalaia, tem flores miúdas rosa claro, com nuances de verde claro galhos compridos, florescendo na primeira semana de abril sendo a espécie venerada no Monte Fuji, no templo dedicado a Kono-hana-sakuya-hime no Mikoto (a espécie roxa ou avermelhada é originária de Okinawa e floresce em março).

Inoue Doshu dizia que o "Budo pode ser comparado com as flores de cerejeira caindo, flutuando no vento", o foco no instante presente, sem se esquecer da Impermanência; ser firme e suave na prática dos movimentos com a katana. Ao mesmo tempo, se pratica o “esquecer-se”, o “entregar-se ao Fluxo”, assim como as flores da cerejeira se entregam ao vento, ela são o próprio vento, elas “saboreiam” o vento; este é o instante único que só pode ser experimentado uma única vez.

Boa Semana.

Oss.

Baseado em artigos sobre mitologia japonesa e Inoue Doshu

2 comentários:

  1. Lindo texto adorei!! Pureza, sabedoria, beleza, retidão e entrega são manifestaçōes plenas do verdadeiro buscador...namaste! oss!

    ResponderExcluir
  2. Cher Ricardo,
    je vous salue et moi aussi, je vous souhaite Bonne Année de 2012. Ne vous inquiétez pas, vôtre icône n'a pas disparu de mon blog, seulement elle n'est pas visible de temps à temps, je ne sais pas pourquoi, il y a probablement quelques problèmes techniques. Merci beaucoup de vôtre intérêt, c'est très gentil :-)
    J'essaie de lire quelques de vos textes, je pratique tai chi depuis 8 ans et il y a des choses et des principes communs avec aikido.
    Bon travail
    Zaffira

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails