Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

domingo, 13 de novembro de 2011

Ser Observação


Muito se pergunta como se faz para “Ser Observação”, se existe técnica ou algum tipo de exercício especial, qual escola a seguir. Como resposta a estes questionamentos, trago este texto de Satyaprem:

“A Observação é eterna, o agora é eterno. Do ponto de vista da mente, nós chamaríamos isso de permanente. Mas o eterno não é permanente, porque o eterno não faz parte do tempo. Essa sentença não é crível pela mente, ela não consegue colocar esse ambiente em perspectiva, trata-se de uma grande novidade. Proponho que insista até que a realização seja límpida.

A mente pensa que existe um você. De nenhuma maneira sugiro que pare de pensar, apenas veja que é a mente que pensa que existe um você, e estaremos conversados. Você não precisa fazer nada com a sua mente, não se engane, ela não é sua. Deixe-a fazer o que quiser e não se envolva. Não há a menor exigência do Ser em alinhar a mente. Essa exigência vem da própria mente e é absolutamente falaciosa.

Tudo o que tentar fazer com a sua mente, estará sendo feito do ponto de vista da própria mente, não da Observação. Até porque, do ponto de vista da Observação – que é um ponto de vista sem ponto – não tem mente. No agora não tem mente. Olhe com acuidade e veja que isso não é discutível. De onde você está olhando, sei que não é possível ver que não há mente. Mas, de fato, não há. E, se quer provar, olhe para o agora.

Mergulhe no menos de um segundo e lá estará o Silêncio que você é. Para a mente seria fantástico organizar essas visões de uma maneira racional, para que pudesse controlar tudo o que passa. No entanto, esses lapsos, essas visões, são rompimentos dessa sequência, desse fluxo mental que organiza as coisas. Portanto não há nenhuma necessidade em organizar, a mente não tem nenhuma propriedade sobre isso. É justamente desorganizando a fluência da mente que um vislumbre acontece. Esse lapso de instante fora do tempo, onde você vê o agora, é sempre surpreendente. Não tente organizar. Quando você tenta organizar, ele some.

E, saiba, você não precisa falar sobre isso. O que você está vendo é visto nos seus olhos. Não perca tempo com explicações. A Verdade é Verdade até embaixo d’água – não tem o que fazer com isso. Não tem o que discutir ou melhorar. Repouse no agora e se renda à simplicidade de ser você, livre de explicações, ordem ou metas.”

Boa Reflexão.

Oss.

Texto de Satyaprem:Um Lapso Limpido do Instante

2 comentários:

  1. Buenas tardes Ricardo,
    Hermosa reflexión, simplemente estar, aqui y ahora, muchas gracias
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Noches, Carina,
      Es un bello texto de Satyaprem, una bella enseñanza.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails