Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Despertar





















Conta-se que um homem que se sentia muito infeliz, devido a uma doença e perdas familiares, saiu de sua vila para falar com um Grande Mestre, que habitava num templo em outra vila. O homem queria que o Mestre lhe explica-se as causas de seu infortúnio, tinha de haver uma explicação.

Chegando ao templo, o forasteiro encontra o Mestre no jardim ao fundo, praticando bastão com os seus discípulos, todos compenetrados, o silencio era imenso. O homem ficou em pé, esperando ser visto ou que lhe dirigissem a palavra, porem só existia um grande silêncio harmônico, que só o deixava mais ansioso. Subitamente, se atira aos pés do Sábio, chorando e gritando: “Grande Mestre, olha para mim, escuta-me, mostra-me as causas de meus sofrimentos. Por que isto acontece a mim? Por que estes eventos me perseguem, justo a mim?”

O Sábio, sem se abalar, olha com compaixão e diz: “Agora não posso te responder nada, não assim como estás; só falas de doenças, perdas e infelicidade. Se te respondo, não compreenderas, pois a mente ocupada pela doença, por sentimentos de perda ou infelicidade, não o permite. Voltas para tua casa e só retornes quando melhorares.”

“Então, nada me falarás? Não posso retornar para casa de mãos vazias, tens de falar o que quero saber.”-retruca o forasteiro.

“Digo algo para ti: Seu interior está tumultuado, como um mar numa tempestade; tudo está perdido neste turbilhão. Estás como um cego a caminhar no escuro. Indico este meu discípulo mais jovem, para que te sirva de guia e dou-lhe meu bastão que sirva de apoio para ti. Como não queres voltar, iras com ele para um cabana que temos ali na montanha, ali exercitaras bons hábitos, praticas físicas e de meditação, até ser chamado de volta”.-sentencia o Mestre.

Subindo a montanha, o suplicante descobre que o jovem guia faz a prática do silêncio e deverá ficar sem falar até voltar para o convívio do templo.

Passam-se os dias, o mais velho começa a seguir a rotina do mais jovem: saudar o sol pela manhã, exercitar-se com o bastão, caminhar pelo planalto, parando para perceber o vento tocar na pele. À tarde meditavam e à noite contemplavam a lua. Todo mês subia um monge para levar comida, instruído para dar a mesma resposta caso o visitante perguntasse quando deveria ver o Mestre, o que sempre acabava acontecendo: “Ainda não é o momento”.

Dia após dia, os dois eremitas se concentravam na rotina de atividades, com o passar do tempo, o forasteiro já não se lamentava mais, tão pouco os fatos remoíam em seu interior.

Certo dia, vendo a lua, que estava cercada de nuvens, ia comentar que as nuvens lá estavam para estragar a bela visão, quando tomou consciência de que todo era perfeito: as nuvens eram apenas passageiras, que nada tinham a ver com a presença da lua, tampouco existia uma intenção de atrapalhar, elas apenas estavam por ali. A lua sempre esteve ali, assim como as estrelas, o cosmo, as montanhas; simplesmente estavam lá.

Tomou consciência que assim eram os eventos da Existência, eles apenas ocorrem, a mente egóica é que afirma existirem razões para que aconteçam com esta ou aquela pessoa. Olhando a lua, respirou profundamente e saboreou a sensação do frio da noite em sua pele, pois era isto que se apresentava no momento. Sua mente estava vazia, seu coração pacificado.

Naquela noite teve o melhor sono dos últimos anos, assim como, daqui para adiante; não mais perguntava pelo retorno ao templo ou pelo Grande Mestre.

Quando ia completar um ano de retiro, o Grande Mestre mandou um emissário avisar aos dois eremitas que já era hora do retorno e se o forasteiro queria as explicações, quando chegasse ao templo.

“Diga ao Mestre que daqui retorno para minha vila, já ouvi todas as explicações dele vindas daqui mesmo, não existem mais perguntas.”- falou o forasteiro apontando para o seu coração.

Ao retornar para a vila, os habitantes não reconheceram o antigo vizinho; estava muito mudado, com um semblante diferente. Curiosos, perguntaram o que tinha acontecido, e o homem responde: “Mudando de hábitos e meditando, pacifiquei a minha mente. Agora, mesmo a distancia, ouço as respostas do Mestre; elas estavam aqui dentro, eu apenas não as escutava, pois a mente estava repleta.”

Boa reflexão.

Oss.

Baseado em artigos sobre Contos Zen, Matthieu Ricard e Osho.

3 comentários:

  1. Blog maravilhoso!! Obrigado.
    Depois se der tempo dá uma olhada no meu: www.myzentado.com Paz

    ResponderExcluir
  2. Buenas tardes Ricardo,
    Muchas gracias por compartir esta hermosa historia para recordar
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Noches, Carina,
      Realmente este es un bello cuento Zen.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails