Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

domingo, 4 de setembro de 2011

Harmonia de Nage-Uke
























Inoue Sensei sempre ensinou que devemos nos harmonizarmos com o Universo (a Existência), pois tudo emana dali, pois todos somos expressões da mesma Fonte.

A representação da Unicidade é, na prática, o binômio “Nage-Uke”, as duas faces da mesma moeda. Este binômio complementar só existe quando existe ação e intenção. Os Mestres nos explicam que a Existência só pode experimentar a si mesma, através de seu reflexo; Uke é o reflexo de Nage e vice-versa, um só pode experimentar existindo o outro.

Esta aparência dual é que nos permite a pratica, mas essencialmente o que permanece é a Unicidade. Inoue Sensei dizia não existir Uke (o oposto) e sim Ukemi (a ação de cair ou de receber a técnica); ensinava que não existia um alguém, mas sim o movimento puro manifesto nas duas aparências (Nage-Uke). Este binômio demonstra a ação perfeita: Uke se oferece a Nage e logo Nage se torna Uke; e assim sucessivamente.

Só existe aprendizado, quando Uke colabora, sentindo o grau da evolução de Nage, nem facilitando nem dificultando a execução da técnica. Dificultando, não há evolução para ambas as partes, pois Uke nada está aproveitando, mesmo que tenha a ilusão que é melhor técnicamente. Tambem vale para a facilitação.

O mesmo vale para Nage, se ele tenta ser vigoroso para machucar Uke, demonstra que a mente não está pacificada, sempre receoso de uma agressão “exterior”; técnica sem empenho, também dificulta a evolução de ambos.

Tanto Inoue Sensei, como Martins Sensei falavam na prática sincera, porém sentindo e percebendo a outra face do binômio; quando isto é feito, não existem lesões. A prática sincera é para que ambos tomem consciência do medo, muitas vezes encoberto pela agressividade. Com o passar do tempo, a consciência vai se fazendo e as emoções e sentimentos deixam lugar para a energia do coração, com ensinava Ueshiba O-Sensei. Esta energia, o Amor, é a energia agregadora do Universo; neste instante, não existem mais adversários, não há mais fragmentos da Existência, é apenas Uma Só Ação (Isness).

Como não existe o “eu” e o “outro”, não existe adversário; esta ilusão só aparece quando a mente fragmenta. Vários Mestres sugerem nos concentrarmos no Seika no Tanden (Hara) e no Naka no Tanden (Shin), logo se fará a harmonização ou afinidade com o todo; o binômio Nage-Uke se torna o fluxo, a ação, o movimento. É apenas isto que existe, a ação da Existência experimentando a si mesma.
Esta é a prática: com a mente vazia (Mushin), somos ação, movimento, respiração e coração; somos fluxo, apenas isto. Assim nos ensinou Inoue Sensei.

Boa Prática.

Oss.

Baseado em artigos de Inoue Sensei, Ueshiba Sensei, Osho, Zen e Budo.

4 comentários:

  1. Buenos días Ricardo,
    Si asi debe ser y es asi como también nos enseña nuestro maestro, gracias por compartir esta instructiva reflexión,
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenas Tardes, Carina,
      Fico muy contento com tu palavras, felicitaciones.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir
  2. Ótimo artigo, Ricardo. A forma como percebemos o binômio Uke-Nage reflete diretamente em nossa experiência física e mental da prática do Aikido.Somos aparências de um todo ou somo, cada um, peças isoladas, não havendo um todo ? Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Amigo e Sensei Alexandre,
      Excelente comentário, este é o grande paradoxo que os Grandes Mestres nos oferecem: somos o todo, somos partes isoladas ou ambas ao mesmo tempo?
      Creio que o mais importante é seguirmos praticando e sempre aprendendo com Uke e como Uke.
      Muito grato pelo seu comentário .
      Abraço.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails