Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

sábado, 24 de setembro de 2011

Cântico Zazen por Mestre Hakuin





















Mestre Hakuin Ekaku ou Hakuin Zenji, atribui-se ter nascido em 19 de janeiro de1686 (outras fontes falam ser em 1685, devemos lembrar que existe uma diferença de calendários para época atual) na vila de Hara, próximo ao Monte Fuji. Certa vez, ao receberem a visita de um monge Nichiren, linhagem budista qual sua família era adepta, muito impressionado com o ensinamento sobre os “Oito Infernos Quentes”.

Tal impressão leva ao jovem decidir que a vida monástica lhe proporcionaria a resposta. A tradição relata que outro fator seria a grande compaixão que sua mãe demonstrava por todas as criaturas, além da devoção.

Ordenado aos 15 anos, aprofunda seus estudos, quando tem contato com a história da vida de Grande Mestre Ch’an Yantou Quanhuo, brutalmente assassinado por bandidos. Em seu interior começa a grande pergunta, de como pode buscar refúgio e cononrto, se mesmo um Grande Mestre não está a salvo de uma morte trágica?  Como meta, busca a iluminação para alcançar a resposta.

Após muitas buscas com Mestres, além da prática de caligrafia, poemas e desenhos Zen, alcança a Iluminação através do Sutra do Lótus. Tinha 41 anos, quando então, passa a se dedicar a que outras pessoas alcancem a Iluminação.

Conta-se que tinha habilidade pouco comum, de fazer grande numero de pessoas entenderem o significado do Zen; não importando qual a religião, classe social ou instrução.

Morre aos 83 anos, em sua vila natal, atribuindo-se a data em 18 de janeiro de 1769 (ou 1678, conforme a fonte consultada).  Abaixo, uma das traduções do Cântico Zazen, que lhe é atribuída.

"Todos os seres, por natureza, são Budas,

Assim como o gelo, por natureza, é água;

Fora da água, não há gelo,

Fora dos seres, não há Budas.

É triste que as pessoas ignorem a Verdade tão próxima

E a procurem tão longe;

Como alguém a chorar de sede no meio d'água,

Como a criança de um lar rico a vagar entre mendigos.

Perdidos nos caminhos obscuros da ignorância,

Vagamos pelos seis mundos,

De um caminho escuro para outro;

Quando nos libertaremos do nascimento e da morte?

Oh, o Zazen do Mahayana é o louvor mais elevado.

Devoção, Purificação, prática, os múltiplos Paramitas

Todos têm sua origem no Zazen

E ao Zazen retornam.

Mérito daqueles que praticam meditação, mesmo que apenas uma vez,

Purifica os incontáveis erros praticados no passado sem início;

Então, onde estão todos os caminhos obscuros?

A Terra Pura, mesmo, está próxima.

Aos que ouvirem esta verdade, mesmo uma vez,

E a recebem com um coração de gratidão,

Estimando-a, reverenciando-a,

Obterão méritos sem fim.

Além disso, aqueles que se voltam para o interior

E atestam a Própria Natureza,

A Própria Natureza que é a Não-Natureza,

Vão muito além do que mera doutrina.

Aqui, causa e efeito são idênticos, o Caminho não é dois nem três;

Com a forma que é a não-forma, indo e vindo, nunca estamos perdidos.

Com o pensamento que é o não-pensamento,

Cantar e dançar são a voz do Dharma.

Quão Ilimitado e livre é o Céu do Samadhi, quão brilhante é a lua cheia de Sabedoria;

Realmente, o que falta agora?

O Nirvana está bem aqui, diante de nossos olhos,

Este mesmo lugar, é a Terra do Lótus; este mesmo corpo, o Buda."

Boa Reflexão.

Oss.

Baseado em artigos sobre a vida de Mestre Hakuin e Zazen Wasan

2 comentários:

  1. Hola Ricardo
    Muchas gracias por compartir este profundo poema del Maestro Hakuin Hakuin Zenji Ekaku
    un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buenos Días, Carina,
      Sí, es muy bonito este cantico atribuido a Hakuin Zenji.
      Gracias por tu comentário.
      Abrazo.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails