Esta Arte Marcial tem por característica resgatar toda Tradição Marcial dos primórdios da civilização japonesa, quando o homem vivia perfeitamente integrado consigo mesmo e com o Universo. Neste conceito, através do treinamento captamos a energia do Grande Universo e depois passamos a utilizá-la, tendo o centro do corpo como área de difusão. Através da consciência do fluxo de energia tudo é possível e podemos esquecer o uso da força física. Com a meditação, esvaziamos a mente e com a prática do Shin’ei Taido também.

Com a mente e o interior pacificados, não há medo, nem raiva, nem angústia nem pânico; saímos das emoções e dos pensamentos. Se considerarmos isto como objetos do aprisionamento humano, entramos na dimensão da Consciencia, aonde nos conduz o Shin’ei Taido. Tanto homens, mulheres, pessoas de todas as idades podem se integrar nesta prática saudável.

Seguidores

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Shoshin e Tada Ima



Já contaram quantas vezes pronuciaram ou pensaram hoje:
“ Eu”, “Eu fiz..”, “Eu sei..”, “ Eu isso e aquilo..”, Eu etc...?

Para os grandes mestres do Zen, como Mestre Dogen, acham que as pessoas perdem grandes chances de evolução e aprimoramento com esta atitude mental.

O conceito de Shoshin, mente de principiante, é aquele que experiencia um evento sem pré-concepções, sempre como se fosse a primeira vez. É claro que no inicio da prática, após você ter experimentado uma primeira vez um evento, você pode ter alguma dificuldade em manter a mente receptiva.

É como experimentarmos um doce maravilhoso pela primeira vez, aquele sabor fica registrado em nossa memória. Se na segunda, na terceira ou nas próximas vezes formos procurar aquele registro para compararmos o sabor atual, o “encanto” já desapareceu, o “novo” não tem mais espaço pois já estado ocupado pela referência.

Porém, se formos provar nas próximas vezes como se fosse “uma receita nova”, sem comparações (embora a danada da mente esteja sempre pronta para isto) o caminho do já está aberto à novas percepções.
Os mestres Zen acham que é péssimo para o desenvolvimento do indivíduo a “mente de perito - o tudo sei”, pois esta “extrema sabedoria” vai limitando e empobrecendo a sua existencia, pois suas experiencias passam a ser “ricamente vazias” e não “plenas do vazio-fértil”.

Muito do falso estímulo de que é preciso mudar tudo radicalmente, para dar um “real sentido a vida”, advém da própria auto-limitação. A procura por algo “novo”, nada mais é do que a procura pelo estado da mente de iniciante, onde ainda no existe nada pré-concebido. Basta ser o “experiente” para de novo viver a mediocridade da limitação, o que leva a frustração.

No Shoshin não existe o pensamento “ Eu Alcancei Algo”. Todos esses pensamentos egocêntricos limitam todas as suas possibilidades. Quando alguém afirma ser autosuficiente graças a sua mente, é a mais pura ilusão, ele mesmo está se limitando.  
Devemos lembrar que cada instante é único, nenhum evento é igual (ele parece igual porque a mente procura parametros de comparação e reconhecimento).



O conceito de Tada Ima (instante único, Momento Presente, Aqui e Agora) deve ser incorporada também nos nossos treinos e na prática diária. Quando executamos uma técnica pela segunda, quarta, vigésima vezes, ela será sempre única, nunca a mesma. Os instantes e movimentos podem ser parecidos mas nunca serão os mesmos, são todos únicos pois o tempo não volta.

Quando praticarmos Arte Marcial, devemos praticar estes dois conceitos: Soshin e Tada Ima; aceitando que tudo único, observando e não-estudando até incorporarmos o movimento naturalmente. Só de mente vazia alcançaremos a “maestria” dos movimentos. É como diz aquele máxima: “ praticaremos tanto que retornaremos a faixa branca (mu kyu) que é o nosso estado original”.

Tenham um bom dia.

Oss.

Baseado nos livros “ Mente Zen, mente de principiante” de Mestre Shunryu Suzuki e “ Os Fundamentos Espirituais do Aikido”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails